Culturas - Cooperbatata



Busca

Informe no campo abaixo a expressao que deseja pesquisar:

 

Por culturas

Batata  Beringela  Beterraba  Café  Cebola  Cenoura  Feijão  Laranja  Milho  Repolho  Soja  Tomate  Trigo 

Contatos

Para maiores informações nos mande uma mensagem em contato

Batata

Por Marketing em 02.11.2012


 

Batata, batata-inglesa, batatinha, escorva, papa ou semilha (Solanum tuberosum) é um vegetal perene da família das solanáceas, originária da América do Sul e cultivada em todo o mundo pelos seus tubérculos comestíveis.

Existem seis outras espécies do género Solanum, com menor importância. A relação da batata com a batata-doce é bem pequena porque os vegetais não compartilham do mesmo gênero ou família, fazendo parte apenas da mesma ordem. Actualmente, cultivam-se milhares de variedades de batata.

Etimologia

"Batata" origina-se do termo taino batata. Ainda que também seja apontada outra origem, baseada no quíchua papa. "Semilha" origina-se do castelhano semilla, "semente".

Origem

A batata é originária do altiplano dos Andes. Em 1570, foi levada do Peru para a Europa pelos conquistadores espanhóis como mera curiosidade botânica. Com o passar do tempo, se tornou um dos vegetais mais utilizados na alimentação humana em todo o mundo.

A batata já era cultivada pelos habitantes da América do Sul desde eras imemoriais. Os mais antigos restos destes tubérculos cultivados (e também de batata-doce) foram encontrados dentro de cavernas situadas a cerca de 2 800 metros de altitude no canion Chilca na região costeira do Peru (a 65 quilômetros a sudeste da capital Lima). Estes restos (como o substrato que os continha) foi datado de 8000 a.C. período glaciário do fim do pleistoceno, quando aqueles planaltos andinos estavam cobertos de gelo.

Recente pesquisa baseada em ácido desoxirribonucleico comprovou que todas as variedades da batata descendem de uma única variedade de planta originária do sul do Peru. Esta mesma pesquisa evocou evidências arqueológicas de que o vegetal ali já era cultivado há 7 000 anos para efeitos de alimentação humana. Ainda em nossos dias, nos países andinos, se produz e se comercializa ordinariamente mais de duzentas variedades diferentes de batatas. Actualmente, a cultura mundial atinge a cifra de cerca de 300 000 000 toneladas por ano.

A batata é rica em grãos de amido, armazenados nos amiloplastos.

A batata tem vitaminas B e C e é rica em ferro e zinco

Variedades

O número de variedades de batata é bastante considerável, conhecendo-se actualmente mais de 3 000. As mais cultivadas são:

Variedades de casca vermelha

  • Asterix: híbrido (Cardinal x SVP Ve 709) de casca vermelha e polpa bastante amarela, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento alto, produz tubérculos de forma oval-alongada de tamanho grande e com um teor de matéria seca alto. É susceptível a alguns vírus sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco e em batatas fritas.
  • Bartina: híbrido (Saturna x ZPC 62-75) de casca vermelha e polpa bastante amarela, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento muito alto, produz tubérculos de forma redondo-ovalada de tamanho muito grande e com um teor de matéria seca baixo. Possui boa resistência à maioria dos vírus sendo moderadamente resistente ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco.
  • Désirée: híbrido (Urgenta x Depeche) de casca vermelha e polpa amarela clara, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento alto, produz tubérculos de forma oval-alongada de tamanho grande e com um bom teor de matéria seca. Possuí boa resistência a diversos vírus sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco e em batatas fritas.
  • Kondor: híbrido (KO 61-333 x Wilja) de casca vermelha e polpa amarela clara, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento muito alto, produz tubérculos de forma oval-alongada de tamanho muito grande e com um teor de matéria seca muito baixo. Possuí resistência a diversos vírus sendo moderadamente resistente ao ataque da phytophthora.
  • Raja: híbrido (Elvira x CB 70-162-23) de casca vermelha e polpa bastante amarela, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento muito alto a alto, produz tubérculos de forma oval de tamanho grande e com um teor de matéria seca bom a moderado. Possui resistência à maioria dos vírus, sendo susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco, batatas fritas e batatas fritas de pacote.
  • Romano: híbrido (Draga x Désirée) de casca vermelha e polpa branco amarelado, com maturação semiprecoce e bom rendimento, produz tubérculos de forma redondo-ovalada de tamanho grande e com um teor de matéria seca moderado a baixo. Possui resistência a alguns vírus sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco.

Variedades de casca amarela

  • Alaska: híbrido (Mondial x Inra 79.84.88) de casca amarela e polpa amarelo-esbranquiçada, com maturidade medianamente precoce e alto rendimento, podendo apresentar até onze tubérculos por planta. É uma variedade adequada para climas mais quentes, especialmente mediterrânicos.
  • Aminca: híbrido (Resy x Amaryl) de casca amarela e polpa amarelo-clara, com maturação de muito precoce a precoce e rendimento alto. Produz tubérculos de forma oval-alongada de tamanho grande e com um teor de matéria seca moderado. Possui boa resistência à maioria dos vírus, sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em batatas fritas.
  • Baraka: híbrido (SVP 50-358 x Avenir) de casca amarela clara e polpa amarela clara, com maturação tardia e rendimento muito alto, produz tubérculos de forma oval de tamanho muito grande e com um teor de matéria seca alto a bom. Possui resistência à maioria dos vírus, sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em batatas fritas e batatas fritas de pacote.
  • Bintje: híbrido (Munstersen x Fransen) de casca amarela e polpa amarelo-clara, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento muito alto a alto, produz tubérculos de forma oval-alongada de tamanho grande e com um teor de matéria seca bom. Possui resistência a alguns vírus sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco, batatas fritas e batatas fritas de pacote.
  • Escort: híbrido (Rental x Cebeco 64197-16) de casca amarela e polpa amarelo-clara, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento muito alto, produz tubérculos de forma redondo-ovalada de tamanho grande e com um teor de matéria seca moderado. Possui resistência a alguns dos vírus que afectam a planta apresentando boa resistência ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco e batatas fritas de pacote.
  • Frieslander: híbrido (Gloria x 74 A3)de casca amarela e polpa bastante amarela, com maturação muito precoce e rendimento moderado, produz tubérculos de forma oval de tamanho grande e com um baixo teor de matéria seca. Possuí bastante resistência a diversos vírus sendo susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco.
  • Hermes: híbrido (DDR 5158 x SW 163/55) de casca amarela e polpa bastante amarela, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento alto. Produz tubérculos de forma redonda-ovalada de tamanho muito grande e com um teor de matéria seca de bom a moderado. Possui boa resistência a diversos vírus, sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas.
  • Jaerla: híbrido (Sirtema x MPI 19268) de casca amarela e polpa amarelo-clara, com maturação de muito precoce a precoce e rendimento alto. Produz tubérculos de forma redonda-ovalada de tamanho grande e com um teor de matéria seca baixo a muito baixo. Possuí resistência a diversos vírus sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas.
  • Kennebec: híbrido (Chippewa x Kathadin x Earlaine x W-ras) de casca amarelo-clara e polpa branca, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento alto, produz tubérculos de forma redonda-ovalada de tamanho muito grande a grande e com um teor de matéria seca bom. Possui resistência a diversos vírus sendo bastante resistente ao ataque da phytophthora.
  • Monalisa: híbrido (Bierma A1-287 x Colmo) criado na Holanda e hoje muito cultivada em França e em Portugal. De casca amarela e polpa amarelo-clara, com maturação semitardia e rendimento muito alto, produz tubérculos de forma oval-alongada de tamanho muito grande a grande. Possui resistência a diversos vírus, sendo susceptível ao ataque da phytophthora. Destina-se ao consumo em fresco.
  • Picasso: híbrido (Cara x Ausonia) de casca amarela e polpa amarela clara, com maturação semiprecoce a semitardia e rendimento muito alto, produz tubérculos de forma oval de tamanho muito grande a grande e com um teor de matéria seca moderado. Possuí resistência a alguns vírus sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco.
  • Sinora: híbrido (Agria x AM 70-2166) de casca amarela e polpa amarela claro, com maturação precoce e rendimento alto, produz tubérculos de forma redondo-ovalada de tamanho grande e com um teor de matéria seca bom. Possui resistência à maioria dos vírus que afectam a planta sendo susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em batatas fritas e batatas fritas de pacote.
  • Spunta: híbrido (Béa x USDA x 96-56) de casca amarela e polpa amarelo-clara, com maturação semiprecoce e rendimento muito alto, produz tubérculos de forma alongada de tamanho grande e com um teor de matéria seca moderado. Possui boa resistência a diversos vírus sendo muito susceptível ao ataque da phytophthora nas folhas. Destina-se ao consumo em fresco.

Doenças

  • Alternariose ou pinta-preta (Alternaria solani)
  • Míldio da batateira[3] ou requeima[4] Phytophthora infestans
  • Sarna-comum, Streptomyces scabies
  • Sarna-prateada, Helminthosporium solani
  • Rizoctoniose ou sarna-negra, Rhizoctonia solani
  • Podridão-seca, Fusarium spp.
  • Podridão-mole-do-tubérculo, canela-preta, talo-oco, Erwinia spp.
  • Murcha bacteriana, Ralstonia solanacearum
  • Roseliniose, podridão-negra-de-roselínea
  • Enrolamento-da-folha ou crespeira

Pragas

  • Escaravelho-da-batateira (Leptinotarsa decemlineata)
  • Nemátodos
  • Traça da batata (Phthorimaea operculella)

Gastronomia

As batatas têm grande importância na culinária. Podem ser consumidas cozidas, fritas, assadas, em sopa, em purê, batata sauté e recheadas. São muitas vezes consumidas quentes, como acompanhamento da refeição principal, ou frias como parte de saladas. Em alguns países elas são servidas no café da manhã, amassadas ou raladas e fritas. A batata frita em tiras curtas e muito finas, chamada de "batata-palha", é usada em acompanhamentos a pratos diversos.

 

Galeria de fotos